Meu Diário
29/05/2020 21h44
FERNANDA VENTURINI DEIXA AQUELE BEIJO PRO FRANKLIN MANO...

Fernanda Porto Venturini Rezende nasceu em 24/10/1970, na Cidade de Araraquera, Estado de São Paulo, Brasil.

Fernanda Venturini é casada desde 1999 com o técnico Bernardo Rezende (Bernardinho), com quem tem duas filhas, Julia e Vitória. Atualmente, ela se dedica ao ciclismo, participa de competições como o L'Étape Brasil e o GNFY Brasil e diariamente posta fotos e vídeos da rotina de ciclista em sua página no Instagram (@fernandaventurini_oficial). Ela também pratica, eventualmente, o beach tennis – esporte que mistura vôlei de praia, tênis e frescobol.

FERNANDA VENTURINI – RESUMO

Fernanda Venturini é uma ex-jogadora profissional de vôlei, que destacou-se na posição de levantadora, tanto em clubes quanto pela Seleção Brasileira. Foi 12 vezes campeã brasileira, bicampeã mundial de clubes, campeã espanhola, bicampeã mundial sub-20 pela seleção brasileira, disputou 4 Olimpíadas, faturou o bronze na Olimpíada de Atlanta-1996 e conquistou três títulos do Grand Prix (1994, 1996 e 2004). É a Única Brasileira entre as 4 Melhores Jogadoras do Século XX, de acordo com a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

FERNANDA VENTURINI - HISTÓRICO

Fernanda começou a praticar voleibol aos onze anos, por indicação médica, para corrigir um problema de escoliose. Em 1984, estreia competindo pela Sociedade Recreativa e de Esportes de Ribeirão Preto. Em 1987, sagrou-se campeã mundial pela primeira vez em Seul, Coreia do Sul. Em 1988, como atacante disputou as Olimpíadas de Seul, na posição de ponteira-passadora. Após o sexto lugar em 1988, devido à sua técnica apurada, habilidade e precisão nos fundamentos foi convencida a mudar de posição e aceitou o desafio de atuar armando as jogadas do time. Em 1989, torna-se bicampeã mundial em Lima, Peru, derrotando Cuba na final já na função de levantadora. Nos Jogos Olímpicos de Barcelona ficou em quarto lugar.

Conquistou seu primeiro título sob o comando de Bernardo Rezende no Grand Prix de 1994, além de receber o prêmio de melhor levantadora. Na era Bernardinho ainda conquistou: três pratas no Campeonato Mundial de 1994, no Grand Prix de 1995 e na Copa do Mundo de 1995; o bronze nos Jogos Olímpicos de Atlanta, além de uma segunda medalha de ouro no Grand Prix de 1996.

Em 1998, Fernanda decidiu não disputar o Grand Prix, porém retornou no segundo semestre para a disputa do Campeonato Mundial no qual o Brasil entrava como franco favorito para a medalha de ouro. A equipe, todavia, não se apresentou bem, e terminou a competição apenas com o quarto lugar. Ao final da disputa, Fernanda anunciou sua aposentadoria da seleção, mas continuou jogando em clubes. Depois de conquistar o vice-campeonato nacional jogando pelo Club de Regatas Vasco da Gama, ficou dezoito meses sem jogar, período em que deu à luz Júlia, sua filha com o técnico Bernardinho.

Em 2000, na premiação feita pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB) aos melhores atletas, equipes e técnicos do vôlei mundial, Fernanda Venturini foi a única brasileira entre as 4 maiores jogadoras do século XX. As outras três foram a cubana Regla Torres (vencedora), a russa Inna Ryskal e a chinesa Lang Ping.

Em 2002, contudo, foi convencida pelo técnico José Roberto Guimarães a buscar mais um título da Superliga e a voltar para a seleção, voltou a integrar a equipe a pedido do técnico. No retorno, estava em plena forma, com 2,5 kg a menos do que apresentava antes do afastamento e afiada na parte técnica. Tanto que não apenas conquistou mais um título da Superliga, como foi eleita a melhor levantadora e a melhor jogadora da competição. Fernanda, então, liderou o Brasil na conquista da medalha de prata na Copa do Mundo de 2003 e do título do Grand Prix do ano seguinte.

Fernanda despediu-se pela segunda vez da seleção após as Olimpíadas de Atenas, quando a equipe brasileira deixou escapar uma vitória praticamente assegurada na semifinal contra a Rússia e terminou a competição em um inesperado quarto lugar. Aposentou-se em 30 de abril de 2006, após a vitória do Rexona-Ades na final da Superliga, que lhe garantiu o 12º título do campeonato nacional.

Em janeiro de 2007, interrompeu, pela segunda vez, sua aposentadoria. A jogadora assinou contrato com o Grupo Murcia 2002, equipe europeia formada por grandes estrelas mundiais, entre elas a polonesa Małgorzata Glinka, a russa Lioubov Sokolova e as dominicanas Annerys Vargas e Prisilla Rivera. Fernanda liderou suas companheiras do Grupo 2002 Murcia na conquista dos principais torneios da Espanha: a Copa da Rainha e a Superliga Espanhola. Na Copa da Rainha, inclusive, Fernanda foi eleita a melhor levantadora do torneio.

Em junho do mesmo ano, Fernanda Venturini foi contratada pela Rede Record, para atuar como comentarista durante as partidas da seleção feminina nos Jogos Pan-Americanos de 2007. Fernanda também foi contratada pelo Portal Terra, para contar os bastidores da competição e comentar o desempenho das jogadoras brasileiras.

Durante os Jogos Olímpicos de 2008, Fernanda novamente comentou a competição de voleibol feminino no seu blog no Portal Terra.

Em 2011, Fernanda Venturini voltou às quadras pela terceira vez e reforçou a equipe do Unilever para a temporada 2011/2012. Ela deixou a camisa 14 de lado e usou a camisa número 1. A equipe carioca, que além de Fernanda tinha estrelas como a oposta Sheilla e a ponteira Mari, ficou com o vice-campeonato da competição.

Em 2012, Fernanda foi homenageada pela Mattel do Brasil com uma versão olímpica da Barbie, inspirada em suas feições. A boneca, produzida especialmente para a ex-levantadora, usa uniforme da seleção brasileira e tem o número 14 estampado na camiseta.

Em 2014, participou da novela "Chiquititas", do SBT. Fernanda interpretou ela mesma, atuando como professora de vôlei na escola onde as chiquititas estudam e ensinando técnicas para uma boa partida.

Em 2016, Fernanda participou do quadro "Super Chef Celebridades", do programa "Mais Você", apresentado por Ana Maria Braga na Rede Globo. Ela disputou a competição com Julianne Trevisol (campeã), Minotauro, André Gonçalves, Eri Johnson, Mumuzinho, Danielle Winits e Carolina Oliveira.

CLUBES

 

CLUBE

 

PAÍS

 

DE

 

ATÉ

 

S.R.E RIBEIRÃO PRETO

 

 BRASIL

 

1984

 

1985

 

PÃO DE AÇÚCAR E.C.

 

 BRASIL

 

1986

 

1987

 

SADIA E.C.

 

 BRASIL

 

1987

 

1991

 

MINAS T.C.

 

 BRASIL

 

1991

 

1992

 

NOSSA CAIXA/RECRA

 

 BRASIL

 

1992

 

1994

 

LEITES NESTLÉ

 

 BRASIL

 

1994

 

1996

 

UNIÃO E.C.

 

 BRASIL

 

1996

 

1997

 

REXONA/CURITIBA

 

 BRASIL

 

1997

 

2000

 

C.R. VASCO DA GAMA

 

 BRASIL

 

2000

 

2001

 

A.D.C. BCN

 

 BRASIL

 

2002

 

2003

 

A.D.C. FINASA

 

 BRASIL

 

2003

 

2004

 

REXONA/ADES

 

 BRASIL

 

2004

 

2006

 

C.A.V. MURCIA 2005

 

 ESPANHA

 

2007

 

2007

 

UNILEVER

 

 BRASIL

 

2011

 

2012

Títulos / Clubes

Mundial de Clubes

*Bicampeã: 1991 e 1994

Sul-Americano de Clubes

*Campeã: 1989, 1990, 1991 e 1992

Superliga/Liga Nacional Brasileira

*Campeã: 1989, 1990, 1991, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 2000, 2003, 2004 e 2006

*Vice-campeã: 1992, 1999, 2005 e 2012

Campeonato Espanhol

*Campeã: 2007

*Copa da Rainha

*Campeã: 2007

Campeonato Paulista – Brasil

*Campeã: 1988, 1989, 1990, 1992, 1995, 2002 e 2003

*Vice-campeã: 1986, 1994 e 1997

Campeonato Carioca – Brasil

*Campeã: 2000, 2004, 2005 e 2011

Títulos / Seleção Brasileira

Jogos Olímpicos

*Bronze: 1996

Campeonato Mundial

*Vice-campeã: 1994

Campeonato Mundial Sub-20

*Campeã: 1987 e 1989

Copa do Mundo

*Vice-campeã: 1995 e 2003

Copa dos Campeões

*Terceiro lugar: 1997

Grand Prix

*Campeã: 1994, 1996 e 2004

*Vice-campeã: 1995

Campeonato Sul-Americano

*Campeã: 1991, 1995, 1997 e 2003

Campeonato Sul-Americano Sub-18

*Campeã: 1986

Jogos Pan-Americanos

*Vice-campeã: 1991

Montreux Volley Masters – Suiça

Campeã: 1994 e 1995

Premiações individuais

 Grand Prix

*1994: Melhor levantadora e MVP

Superliga – Brasil

*1994/1995: melhor saque, melhor levantadora e MVP

*1995/1996: melhor saque e MVP

*1996/1997: melhor defesa e melhor levantadora

*1997/1998: melhor levantadora e MVP

*1999/2000: MVP

*2000/2001: melhor levantadora

*2002/2003: melhor levantadora

*2003/2004: melhor levantadora e MVP

*2004/2005: melhor levantadora

*2005/2006: melhor levantadora

Copa da Rainha – Espanha

*2006/2007: melhor levantadora

CONTATO PROFISSIONAL

Instagram > https://www.instagram.com/fernandaventurini_oficial/?hl=pt-br

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 29/05/2020 às 21h44
 
27/05/2020 20h01
GIOVANNA ANTONELLI DEIXA AQUELE ABRAÇO PRO FRANKLIN MANO...

Giovanna Antonelli nasceu em 18/03/1976, na Cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

A atriz carioca Giovanna Antonelli deu seus primeiros passos na carreira artística como “angeliquete”, ajudante de palco do “CLUBE DA CRIANÇA”, programa infantil da apresentadora ANGÉLICA NA extinta Rede Manchete.

Após testes na TV Globo, a bela atuou na novela “TROPICALIENTE” (1994), mas voltou à Manchete para fazer outras duas novelas: “TOCAIA GRANDE” (1995) e “XICA DA SILVA” (1996).

Após a boa atuação nas novelas da Manchete, a atriz retornou a Rede Globo de onde nunca mais saiu, onde trabalhou em "CORPO DOURADO" (1998), “FORÇA DE UM DESEJO” (1999), e na série "MALHAÇÃO".

Em 2000, foi destaque na novela “LAÇOS DE FAMÍLIA”. A personagem - uma mãe solteira de classe média que sustentava a família se prostituindo - e a química com seu par romântico, cativaram o público e a crítica. O papel lhe rendeu diversos prêmios, entre eles dois de Atriz Revelação.

Ainda em 2000, Giovanna estreou no cinema com o filme “BOSSA NOVA”, de Bruno Barreto.

De volta às novelas, Giovanna foi protagonista de “O CLONE”, no papel de Jade, uma muçulmana dividida entre seus sentimentos e as tradições da religião. Com “O CLONE”, ganhou vários prêmios, ditou moda entre as mulheres e começou a se tornar conhecida no exterior, já que a novela foi reproduzida em diversos países.

A atriz fez seu segundo filme, “AVASSALADORAS”, em 2002. A personagem Laura rendeu a ela o Prêmio Lente de Cristal de Melhor Atriz no Festival de Cinema Brasileiro em Miami-EUA.

Em 2003, Giovanna se dividiu entre a TV, o cinema e o teatro. Na minissérie “A CASA DAS SETE MULHERES”, de Maria Adelaide e Walter Negrão, interpretou Anita Garibaldi, realizando uma atuação bastante elogiada. No cinema, a bela representou Maria em “MARIA, MÃE DO FILHO DE DEUS”, de Moacyr Góes, e, nos palcos do teatro, teve o mesmo papel em “A PAIXÃO DE CRISTO”.

Interpretou pela primeira vez uma vilã com a personagem Barbára, em “DA COR DO PECADO” (2004). No mesmo ano, estreou na peça “DOIS NA GANGORRA”, e fez o filme “A CARTOMANTE”.

Após “Da Cor do Pecado”, a atriz ficou dois anos sem gravar. Voltou à telinha ao participar da minissérie “AMAZÔNIA” e ao protagonizar a novela “SETE PECADOS”, ambas em 2007. No mesmo ano, ela atuou também em dois filmes: “CAIXA DOIS” e “POR ACASO”.

Giovanna protagonizou as outras duas novelas nas quais trabalhou em seguida: “TRÊS IRMÃS” (2008) e “VIVER A VIDA” (2009).

No cinema, a atriz atuou em “BUDAPESTE” (2009), baseado no livro homônimo de Chico Buarque. Em “THE HEARTBEAKER”, produção entre Brasil e Estados Unidos finalizada em 2010, e em “CHICO XAVIER” (2010).

Em 2011, Giovanna integrou o elenco da novela “AQUELE BEIJO”, de autoria de Miguel Falabella, interpretando a personagem Cláudia, protagonista da trama.

Em 2012, foi protagonista do episódio "A Venenosa de Sampa", da série “AS BRASILEIRAS”, de Daniel Filho.

Em 2012, despontou na pele da delegada Heloísa, uma das protagonistas da novela “SALVE JORGE”, de Glória Perez.

Em 2014, integrou o elenco da novela “EM FAMÍLIA” de Manoel Carlos, em que interpretou a personagem Clara.

Em 2014, a atriz protagoniza o longa: “S.O.S. MULHERES AO MAR”, uma comédia romântica. O longa se tornou um grande sucesso de bilheteria, sendo confirmada uma continuação “S.O.S. MULHERES AO MAR 2”,  para 2015, .

Em 2015 é convidada para participar da novela de João Emanuel Carneiro, “A REGRA DO JOGO”, no papel da vilã Atena Terremolinos.

Em 2016, Antonelli é convidada para participar da nova novela das 6, de Walther Negrão e Suzana Pires, “SOL NASCENTE” interpretando a protagonista Alice Tanaka.

Em 2018, foi protagonista na novela das 9, “SEGUNDO SOL”, de João Emanuel Carneiro, na qual interpretou a guerreira Luzia.

Em 2021, volta ao ar com a personagem Sara, na novela "A MORTE PODE ESPERAR", comédia romântica de Mauro Wilson.

Também em 2021, promete com a personagem Lívia, na série “FILHAS DE EVA”.

CONTATO PROFISSIONAL

Facebook > https://www.facebook.com/gioantonellioficial/

Instagram > https://www.instagram.com/giovannaantonelli/?hl=pt-br

Twitter > https://twitter.com/gio_antonelli

Giolaser > https://www.giolaser.com.br/

Comercial / Palestras > https://house.com.vc/novo/

Loja > https://www.enjoei.com.br/@giovanna-antonelli

 

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 27/05/2020 às 20h01
 
25/05/2020 21h02
ANDRÉ SAGATTI DEIXA AQUELE ABRAÇO PRA VOCÊS...

André Luciano Segatti, nasceu em 15/05/1972, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil.

André Segatti é um renomado Ator, Diretor, Produtor, Palestrante, Cantor, Profissional de Marketing e Empresário.

André Segatti, começou a carreira aos 7 anos de idade fazendo vários comerciais para a TV, começou em uma Agência que na época se chamava Pritt da Tia Irani, onde muitos outros começaram e estão brilhando com seu talento e amor à Arte.

Iniciou profissionalmente no teatro aos 15 anos, mas já fazendo Teatro Amador desde muito pequeno, onde sua 1º estreia foi em um Espetáculo escolar de nome "Paixão de Cristo", onde fez um dos Apóstolos de Cristo aos 7 anos de idade.

Ao completar seus 17 anos Protagonizou no Teatro A Comédia Musical "A Princesa de Élida" fazendo o Personagem o Príncipe de Ítaca.

Foram vários os Espetáculos Infantis dentre eles: O Musical Infanto Juvenil "Hércules" onde foi o protagonista também.

No teatro adulto fez vários Espetáculos, dentre eles: "Paralelo", "Aluga-se um Namorado", "Lancelot" sendo o Protagonista, o Musical "Os Duelistas" onde foi também Protagonista e também Produtor, e a comédia "Toda Donzela tem um Pai que é uma Fera", onde foi o Protagonista do Espetáculo, Produtor e também teve sua estreia como Diretor.

Morou nos Estados Unidos e em vários países da Europa aos 21 anos de idade, estudando e trabalhando com Teatro e Moda, ao voltar ao Brasil entrou na "Oficina de Atores da Rede Globo em "1995/1996”.

Sua estreia na TV com Novelas foi: "O Amor está no ar" em 1996, posteriormente vieram vários convites para novas participações em Novelas como: "Torre de Babel", "Andando nas Nuvens", a Minissérie "Chiquinha Gonzaga", a Minissérie "Labirinto", o Seriado "Malhação", até ser convidado por Renato Aragão para o Seriado "A Turma do Didi", onde permaneceu de 1998 a 2002, mostrando toda sua arte em Comédias, depois fez algumas participações no humorístico "Zorra Total".

Após esse período, André Segatti foi alçar voos maiores, no Cinema e em suas Produções Teatrais, onde permaneceu quase 3 anos sem fazer Televisão, e se dedicando somente as suas Produções.

Após esses 3 anos, sua estreia na Rede Record de Televisão se deu na Novela "Prova de Amor" onde fez o Antagonista e vilão de nome "Gerião Corrêia".

Posteriormente a isso, mostrou todo seu lado romântico, bondoso e amoroso na Novela "Caminhos do Coração / Mutantes", com um personagem completamente do bem e apaixonado; um Policial investigador de nome "Ernesto Justo".

Esteve também na Novela "Bela a Feia" com o personagem "Ivo Alencar", um milionário galanteador do bem e extremamente leve e divertido; apaixonado pela vida e que estava à procura de um grande amor.

Como se não bastassem todos os desafios já enfrentados, André Segatti aceitou mais um e dos grandes, viver e conviver confinado durante 3 meses com pessoas desconhecidas em "A Fazenda 2" provando mais uma vez sua determinação, respeito e amor em tudo que faz, chegando assim a grande, emocionante e tão esperada final com a Atriz Karina Bacchi.

André Segatti é extremamente apaixonado por Cinema, onde fez sua estreia em 1998 como Protagonista ao lado de Renato Aragão no Filme "O Trapalhão e a Luz Azul" fazendo 2 personagens diferentes, um Cantor de Rock e um Príncipe de um Universo Paralelo.

André Segatti protagonizou também o Filme curta metragem "Assassinato Policial" onde fazia uma Drag Queem.

No foi destaque no Filme "Mandrake" pela HBO com o personagem Ian, que foi distribuído para o mundo todo.

André também recebeu crítica positiva no filme "Até mais tarde Ipanema", que conta a estória de um traficante de drogas envolvido com a máfia Italiana, que foi lançado no Festival de "Sundance", Festival esse criado e lançado pelo Ator, Diretor e Produtor Robert Redford.

Em 2011 filmou Rei Davi, foram 11 meses de filmagens, com sua estreia em Janeiro de 2012, onde fez o personagem Paltiel, um bravo e valente Guerreiro e Arqueiro do Reino de Saul, vivendo uma grande aventura e um amor não correspondido.

Em 2013 fez a Novela Balacobaco, dando vida ao vilão Bon Vivant e Antagonista Magno na Rede Record, foi uma Novela diferente e muito divertida, onde Magno passou por muitas dificuldades, e que através de um grande amor vê sua vida se transformar da água para o vinho, de vilão à um ser humano do bem.

Em 2014 filmou o Longa Metragem "E.A.S" Esquadrão Antissequestro, um Filme de ação/ficção do Diretor Marcus Dartagnãn, seu personagem foi Drago, um Agente Especial do "E.A.S", que passa por uma grande transformação por causa de sua ganância, e acaba se tornando um verdadeiro mercenário, indo de mocinho à vilão, o filme teve sua estreia no 2º semestre de 2017 em todos os Cinemas do Brasil.

Em 2015/2016 voltou a trabalhar na Comédia Teatral "Toda Donzela tem um Pai que é uma Fera", onde André Segatti foi Produtor, Diretor, reescreveu a peça, com uma adaptação mais alegre e atual, onde foi também o Protagonista da mesma.

Entre 2018 e 2019, participou do humorístico "Tá no Ar" da Rede Globo.

Em maio de 2019, fez produção teatral "MALVADAS", 3 homens fazendo 3 mulheres, texto de Alessandro Marson, onde fazia a protagonista Shirley. Que teve duas temporadas, a primeira no FAAP/SP e outra no Teatro Novo/SP. Iria estrear neste ano de 2020 no Rio de Janeiro, mas foi adiada devido a pandemia de COVID-19.

Na condição de Empresário, desde 2019/2020, está envolvido no Projeto “Bora Brasil”, que trás um novo conceito em mobilidade urbana. Atualmente o APP têm mais de 20 mil motoristas cadastrados e satisfeitos. Todas as informações estão disponíveis no site “Bora Brasil Mobilidade”.

CONTATO PROFISSIONAL

Site > https://www.borabrasilmobilidade.com.br/

Instagram >  https://www.instagram.com/andresegattioficial/?hl=pt-br

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 25/05/2020 às 21h02
 
24/05/2020 18h37
JUBA DA BLITZ DEIXA AQUELE ABRAÇO PRA VOCÊS...

Roberto Gurgel, o JUBA, nasceu em 04/08/1952, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil.

O Juba integrou as bandas: Tutti Frutti, Joelho de Porco, e Made in Brazil, antes de integrar a banda Blitz em 1982.

BLITZ

Janeiro de 1982, verão carioca. Uma lona começa a ser esticada sobre o pedaço de terra que separa Ipanema de Copacabana. À sua sombra toma forma um espaço multicultural e democrático que ficou conhecido como Circo Voador. Naquele palco praiano, que depois mudaria para a Lapa, no centro do Rio, nasceu a BLITZ.

Vinda de shows improvisados em bares da zona sul, banda tomou forma e começou a virar mania no tablado do Circo. Em julho daquele ano gravou o compacto “Você Não Soube Me Amar”, que só tinha essa música. No lado B do disco uma voz repetia “nada, nada, nada”. Em três meses o compacto vendeu 100 mil cópias e aquela canção diferente, meio cantada, meio falada, cheia de swing, gírias e de alegria virou febre. Ainda em setembro foi lançado o LP “As Aventuras da Blitz”, com uma venda ainda mais impressionante que a do compacto. A BLITZ tinha o Brasil aos seus pés.

Evandro & Cia surgiram na esteira do “Rock Brasil” – termo que a imprensa normalmente usava para se referir a artistas como Lulu Santos e grupos como Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, entre outros, que foram dando as caras no início dos anos 80 –, mas não formavam exatamente uma banda de rock. A BLITZ era inclassificável na melhor acepção do termo. E isso tinha muito a ver com a sua origem, o grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone. De lá saiu Evandro Mesquita, o homem de frente do grupo, responsável por boa parte das letras deliciosamente coloquiais da banda. De lá saiu também Patrícia Travassos, que dirigiu os primeiros shows do grupo e imprimiu a eles a marca do espetáculo músico-teatral. Evandro não só cantava, mas também dialogava com as garotas do backing vocal, a cantora Márcia Bulcão e a amiga dela, a bailarina Fernanda Abreu. Na cozinha musical, jovens talentosos como Billy Forghieri (teclados, ex–Gang 90), Ricardo Barreto (guitarra), Antonio Pedro (baixo, ex-Mutantes) e Lobão (bateria) garantiam som de primeira.

Os anos de ouro do grupo vão de 1982 a 1986. Nesse espaço de tempo a BLITZ lançou três discos, fez centenas de shows pelo país e pelo exterior, entre eles as antológicas apresentações no Rock in Rio I, e se dissolveu às vésperas da gravação do quatro LP. Voltou a se reunir e a se separar nos anos 90.

Hoje com uma formação estável, junta há cerca de sete anos e que já gravou três CDs e dois DVDs, a banda é composta por: Evandro Mesquita (vocal, guitarra e violão), Billy (teclados), Juba (bateria), Rogério Meanda (guitarra), Cláudia Niemeyer (baixo), Andréa Coutinho (backing vocal) e Nicole Cyrne (backing vocal).

Antenados com a modernidade o caldeirão Blitz continua fervendo com o rock, o pop, o reggae, o blues, o eletrônico, as baladas de gaita e violão, as letras bem-sacadas, as guitarras swingadas, o canto falado, as respostas das meninas, enfim, o típico bom-humor que sempre foi a marca de Mesquita & Cia.

Atividade total e muitos shows Brasil afora, com a tour que nunca tem fim. “Enquanto houver bambu tem flecha!”

Em Blitz – O filme, documentário viabilizado pela Viralata Produções, que estreou em 05/03/2020 nos cinemas. O diretor Paulo Fontenelle reconta em 104 minutos a saga da Blitz com precisão, humor, sinceridade e habilidade na área do cinema documental.

DISCOGRAFIA

AS AVENTURAS DA BLITZ 1 (1982) – ÁLBUM DE ESTÚDIO

RADIOATIVIDADE (1983) – ÁLBUM DE ESTÚDIO

BLITZ 3 (1984) – ÁLBUM DE ESTÚDIO

BLITZ AO VIVO (1994) – ÁLBUM AO VIVO

LÍNGUAS (1997) – ÁLBUM DE ESTÚDIO

BLITZ – AO VIVO E A CORES (2007) – ÁLBUM AO VIVO

SKUTE BLITZ (2009) – ÁLBUM DE ESTÚDIO

ESKUTE E VEJA BLITZ (2010) – ÁLBUM AO VIVO

BLITZ 30 ANOS (2013) – ÁLBUM AO VIVO

AVENTURAS II (2016) – ÁLBUM DE ESTÚDIO

BLITZ NO CIRCO VOADOR (2018) – ÁLBUM AO VIVO

BLITZ | VOCÊ NÃO SOUBE ME AMAR | DVD SKUT

CONTATO PROFISSIONAL

Site > http://www.blitzmania.com.br/

Facebook > https://www.facebook.com/BlitzDocumento/

Instagram > https://www.instagram.com/blitzoficial/?hl=pt-br

 

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 24/05/2020 às 18h37
 
23/05/2020 19h35
MARCELO SERRADO DEIXA AQUELE ABRAÇO PRO FRANKLIN MANO...

Marcelo Magalhães Serrado, nasceu em 10/02/1967, na cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Marcelo Serrado é um renovado ator, autor, produtor e diretor brasileiro.

Marcelo Serrado estreou na TV em 1987 na novela Corpo Santo da extinta Rede Manchete. Em 1989, Marcelo Serrado estreou na Rede Globo em Pacto de Sangue. Na emissora, ele também atuou em Desejo (1990), Mico Preto (1990), O Dono do Mundo (1991), Anos Rebeldes (1992), O Mapa da Mina (1993), Quatro por Quatro (1994), Quem É Você?(1996), Por Amor (1997), Labirinto (1998), Pecado Capital (1998), Força de um Desejo (1999), Porto dos Milagres (2001), Sabor da Paixão (2002), Sítio do Picapau Amarelo (2004) e Mad Maria (2005). Marcelo também atuou em Brasileiras e Brasileiros (1990) no SBT.

No teatro, atuou, dentre outras peças, em Os Meninos da Rua Paulo, Esse Alguém Maravilhoso que Amei, O Rim, No Retrovisor e Noel, o Poeta da Vila. Além de atuar, Serado também produz, idealiza e dirige peças de teatros, já produziu peças como Sobe o Pano, Viagem ao Centro da Terra, Beijo no Asfalto, entre outros.

No cinema, Marcelo participou dos longas Super-Colosso: a Gincana da TV Colosso (1995), Bem-Vindos ao Paraíso (1999), Seja o que Deus Quiser (2002), Oswaldo Cruz - O Médico do Brasil (2003) e Noite de São João (2003).

Em 2005, depois de 15 anos fazendo novelas na Rede Globo, Marcelo Serrado decidiu não renovar seu contrato com a emissora carioca para atuar em Mandrake, série produzida no Brasil pelo canal por assinatura HBO Brasil, na pele do policial Raul. Logo depois assinou contrato de três anos com a RecordTV, onde atuou nas novelas Prova de Amor e Vidas Opostas.

Em 2008, após quase 4 anos de preparação, Marcelo estréia o espetáculo Tom & Vinícius, o musical. Marcelo - idealizador do espetáculo - quer mostrar a dupla ainda jovem do encontro em 1955 para a montagem da peça Orfeu da Conceição até 1965 com a fama já internacional. No elenco Marcelo interpretou Tom Jobim, e Thelmo Fernandes é Vinicius de Moraes.

Em 2009, esteve no elenco da novela Poder Paralelo da RecordTV na qual intepretou o vilão, o mafioso Bruno Vilar, sendo este seu último papel na emissora.

Em 2010, o ator esteve em cartaz com o monólogo Não Existe Mulher Difícil. No ano seguinte Marcelo aparece nas telas dos cinemas no longa metragem Malu de Bicicleta.

Retornou à Rede Globo em 2011, interpretando Crô, na telenovela Fina Estampa. Em 2012, interpretou Tonico Bastos, no remake da novela Gabriela.

Em novembro de 2013 estreou em “Crô: O Filme”, com roteiro escrito por Aguinaldo Silva em conjunto com Rodrigo Ribeiro e Maurício Gyboski, e direção de Bruno Barreto.

Estrelou as três temporadas do quadro “A Mulher da Sua Vida” do programa Fantástico (Rede Globo).

Em 2014 estreou como escritor e diretor com a comédia “A História dos Amantes”. Convidou três jovens atores para o elenco: Anderson di Rizzi - depois substituido por Bruno Gissoni - Daniel Rocha e Hugo Bonemer. A peça viajou por nove cidades.

Em 2017, rodou três longas, sendo eles “Albatroz”, “Bang! Bang!” e participação especial no “Chacrinha: O Velho Guerreiro”.

No teatro, comemorando 30 anos de carreira com 50 trabalhos na tv, 14 no cinema e mais de 40 no teatro com a peça “Os Vilões de Shakespeare”.

Em dezembro, é confirmado na segunda temporada do programa “PopStar” (Rede Globo), em 2018, começa a rodar o segundo filme do “Crô em Família” e a novela “O Sétimo Guardião” de Aguinaldo Silva.

Televisão

Ano

Título

1987

Corpo Santo

1989

Pacto de Sangue

1990

Brasileiras e Brasileiros

1990

Desejo

1990

Mico Preto

1991

O Dono do Mundo

1992

Anos Rebeldes

1993

O Mapa da Mina

1993

Menino de Engenho

1994

Quatro por Quatro

1994–97

Você Decide

1996

Quem É Você?

1997

Por Amor

1998

Labirinto

1998

Pecado Capital

1999

Força de um Desejo

2000

Esplendor

2001

Porto dos Milagres

2002

Brava Gente

2002

Sabor da Paixão

2004

Sítio do Picapau Amarelo

2004

Linha Direta

2004
2005

Sob Nova Direção

2005

Mad Maria

2005

A Diarista

2005–07

Mandrake

2005

Prova de Amor

2006

Vidas Opostas

2009

Poder Paralelo

2011

Fina Estampa

2012

Gabriela

2013

Alexandre e Outros Heróis

2013–14

A Mulher da Sua Vida

2014

Por Isso Eu Sou Vingativa

2014

O Caçador

2014

Tapas & Beijos

2015

Amor Veríssimo

2015

Tomara que Caia

2016

Velho Chico

Teleton

2017

Pega Pega

2018

Zorra

Sob Pressão

O Sétimo Guardião

2019

Jugar con Fuego

Zorra

2020

Chacrinha - A Minissérie

Filmes

Ano

Título

1992

Os Moradores da Rua Humboldt

1993

A Flor da Pele

1995

Super-Colosso: a Gincana da TV Colosso

1999

Bem-Vindo ao Paraíso

2000

Célia & Rosita

2002

Seja o que Deus Quiser

2003

Oswaldo Cruz - O Médico do Brasil

2003

Noite de São João

2008

Mais Uma História No Rio

2011

Malu de Bicicleta

2013

Crô - O Filme

2014

Rio, Eu Te Amo

2015

Divã a 2

2015

Depois de Tudo

2016

Sing

2017

Polícia Federal: A Lei É para Todos

2018

Crô em Família

2018

Se a Vida Começasse Agora

2018

Albatroz

2018

Bang! Bang!

2018

Chacrinha: O Velho Guerreiro

2020

Dois Mais Dois

CONTATO PROFISSIONAL

Instagram > https://www.instagram.com/marceloserrado1/?hl=pt-br


Publicado por Dom Franklin Mano em 23/05/2020 às 19h35



Página 8 de 171 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr