Textos

BRASIL
Brasil
Observo o futuro sumindo
O passado recatado
Adquiro mais um preconceito
Alento minha estupidez
O gosto doce da insensatez
Se mistura com o gosto amargo
Da realidade
Se retorcendo pelos escombros da alma
O corpo nu vomita
Ardendo em febre
O extinto clama por suicídio
Mas a covardia grita e lembra
Que faz tempo que eu não consigo
Basta só algumas doses ou um comprido
Pra anestesiado eu e a multidão dormir

A democracia não conhece a calma
A igualdade já é mito
E vão te liderar
Por ideologias irracionais
Tirando sempre um pouco de tudo
De quem precisa um pouco mais

Muita dor já ultrapassou
Tantas trincheiras e fronteiras
É notícia comum
São sobre(vidas) que a sensibilidade já não sente mais

O poder já violou toda prudência e barreiras
E vai consumir
E vai converter
E vai fazer um pouco mais
São só campos de concentração
Pra quem não se concentra mais

A democracia não conhece a calma
A igualdade já é mito
E vão te liderar
Por ideologias irracionais
São apenas indivíduos sórdidos
Com faixas presidências

E vão nos consumir
E vão nos converter
E vão nos distrair um pouco mais
E vamos estocando vento e cocô
Sempre por causas ambientais
Dom Franklin Mano
Enviado por Dom Franklin Mano em 14/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Franklin Emmanuel da Silva Mano e o site www.franklinmano.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr