Meu Diário
12/12/2017 12h32
XIQUINHO MENDES DA PEDRA LETÍCIA DEIXA AQUELE ABRAÇO PRA VOCÊS...

PEDRA LETÍCIA - Quem Somos?

Com 12 anos de estrada completos em 2017, a banda Pedra Letícia começou em Goiânia com seu pop rock irreverente e malicioso. Com mais de 40 milhões de acessos no YouTube, muitos CD’s, alguns DVD’s e participações marcantes em programas de TV, a banda ganhou o concurso Garagem do Faustão, da Globo. Desde então, a Pedra já agitou plateias em 20 estados brasileiros, em mais de 450 shows.

Formada por Fabiano Cambota nos vocais, Pedro Torres na bateria, Kuky Sanchez no baixo e Xiquinho Mendes na guitarra, a Pedra Letícia empolga seu público com hits como “Ela Traiu o Rock’n Roll”, música de Fabiano Cambota com o humorista Danilo Gentili, “Teorema de Carlão/Pega uma Baranga”, “Como que ocê pôde Abandoná Eu”, “Eu Não Toco Raul”, “Funcionário do Mês”, “Caretão” e muitas outras.

CONTATO PROFISSIONAL

Site > http://pedraleticia.com.br/

Facebook > https://www.facebook.com/pedraleticia/

 

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 12/12/2017 às 12h32
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Franklin Emmanuel da Silva Mano e o site www.franklinmano.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
06/12/2017 23h31
OS INTEGRANTES DA BRASAS DO FORRÓ DEIXAM AQUELE ABRAÇO PRA VOCÊS...

Tudo começa quando Didi resolve inovar a maneira de fazer forró, criando um novo estilo, um pouco diferente do que já era tocado pelas bandas de forró eletrônico da época, como o xote e vaquejada da banda Mastruz com Leite e o forró romântico das bandas Limão com Mel, Calcinha Preta e Magníficos. Uma nova batida, um pouco mais acelerada, mesclando elementos nordestinos com os ritmos gaúchos fandango e vaneirão, criando assim o "forronerão" uma nova identidade para o forró, que se tornaria a marca registrada da banda. O primeiro álbum foi gravado no ano de 1997, intitulado "Calorão", tendo à frente os vocalistas Toca do Vale, Ventura Neto e Marileide.

Em 1998, a banda grava seu segundo álbum, intitulado "Belo Cinquentão no Vaneirão" e começa a ser reconhecida pelo nordeste do país. O bordão "Puxa o fole Didi", criado pelos vocalistas da banda, já era uma marca registrada em seus shows.

No início de 1999, é gravado o álbum "Forronerão", em parceria com Gaúcho da Fronteira, pela gravadora Warner Music, fazendo com que a banda ganhe projeção nacional. Ventura deixa a banda e entra Zé Airton.

No mesmo ano a banda gravou o seu quarto CD, intitulado "Super IV". Tal disco renderia a banda o Disco de Ouro, pela simbólica venda de mais de 100.000 cópias. Este álbum, trouxe em especial, algumas das canções mais conhecidas da banda, como "Todo Tempo É Pouco Pra Te Amar" e "Pergunta Sem Resposta". Ainda no mesmo ano a banda grava o quinto álbum da sua carreira, intitulado "Ao Vivo I" em Fortaleza-CE. No mesmo ano, Toca do Vale se desliga da banda para seguir carreira solo.

No ano 2000 a banda grava seu sexto álbum, intitulado "Volume V", com o single "Irreverência" e o sétimo, intitulado "Ao Vivo II", com o single "Pra Recomeçar" o qual também renderia Disco de Ouro. No ano seguinte, a banda grava seu terceiro CD ao vivo, o oitavo de sua carreira. A essa altura, a banda Brasas do Forró já fazia shows em vários estados do Brasil.

Em 2002, Helio Barbosa chega pra somar aos vocais e a banda grava o CD "Ao Vivo IV". No ano seguinte, Zé Airton deixa a banda e Leandro Mendes entra em seu lugar. A banda grava o volume 10. Este álbum não teve tanta representatividade, a não ser pela canção "Coração Turista", que era interpretada pelos quatro vocalistas. Leandro Mendes e Marileide deixam os vocais da banda e entra Marli Nogueira.

Em 2004, para comemorar 15 anos de carreira, a banda grava seu décimo primeiro álbum ao vivo na cidade de São Luís, Maranhão. No mesmo ano, a banda entra em estúdio para grava o CD "Catineirão: A nova Onda do Vaneirão".

Em 2005, mais um álbum, intitulado "É Brasil". Logo após a gravação do CD, Assum Preto se desliga da banda e entram Nerivaldo e Claudio Black. Ainda em 2005, a banda lança seu décimo quarto álbum, intitulado "O Melhor de Todos os Tempos". No ano seguinte, Helio Barbosa deixa a banda e entram Junior Raidan e Wenya Araújo. A banda grava seu volume 15 e se prepara pra gravar seu primeiro DVD em Caruaru, Pernambuco. Após o lançamento do DVD, Junior Raidan, e Marli deixam a banda. Zé Airton retorna a banda e se junta a Nerivaldo, Claudio e Wenya. Com essa formação, lançam o décimo sexto álbum, ao vivo no Clube do Vaqueiro, em Fortaleza, Ceará, no ano de 2007. Neste CD, Renato Ravel, até então tecladista da banda, canta em duas faixas do disco.

Em 2008, a banda grava seu volume 17, intitulado "O sucesso que nunca acaba". Wenya se desliga da banda e entra Lince, uma velha conhecida dos forrozeiros. Didi participa da gravação do 2º DVD em Recife, Pernambuco e, depois disso, passa a se apresentar com a banda apenas em ocasiões especiais. No ano seguinte, com a queda na venda de CDs devido ao aumento da pirataria, a banda passa a gravar somente CDs Promocionais. Lince deixa a banda e entra Vanessa Ville , a qual não demora muito tempo. A direção da banda então anuncia o retorno de Wenya.

Após participar da gravação dos CDs Promocionais de 2009 e 2010, Claudio Black se desliga da banda e Paulo Bala vem para somar a Zé Airton, Nerivaldo e Wenya. Em 2011, a banda grava seu terceiro DVD em Campina Grande, Paraíba. O décimo oitavo álbum oficial é o áudio desse show. Wenya deixa a banda no ano seguinte e a direção traz Joelma Rios, ex-Caviar com Rapadura.

Em 2013 a banda inova e lança o Promocional "Brasas Elétrico" para o carnaval. No final do ano, com a saída de Joelma, entra Thays Oliveira. No ano seguinte, a banda grava seu quarto DVD em Mossoró, Rio Grande do Norte e é lançado também o CD promocional "Brasas Canta Vaquejada". Thays deixa a banda. A partir de outubro de 2014, a direção decidiu por não contar mais com a presença de dançarinas em suas apresentações.

No final do ano, a direção da empresa anuncia em suas redes sociais o retorno de Leandro Mendes. Nerivaldo deixa a banda. Entra Jack Lins, a vocalista não permanece por muito tempo e os vocais ficam apenas com vozes masculinas.

No início de 2015 contrata a cantora Michelle Torres, porém, no final do mês de junho a mesma foi demitida. No mês seguinte o cantor Leandro Mendes deixa a banda. Para completar o quadro de vocalistas a direção da banda resolveu apostar em um jovem talento. Trata-se do cantor Wesley Ribeiro.

Atualmente, a banda Brasas do Forró se prepara para a gravação do seu quinto DVD em Fortaleza-CE. O show será em comemoração aos 25 anos de carreira.

CONTATO PROFISSIONAL

Facebook > https://www.facebook.com/brasasdoforro/

E-mail > itproducoes.eventos@hotmail.com

PRODUÇÃO ALEXANDRE MÍDIAS

E-mail > alexandremidias@gmail.com

WhatsApp > +55 (85) 9 9814-2445

 

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 06/12/2017 às 23h31
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Franklin Emmanuel da Silva Mano e o site www.franklinmano.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
06/12/2017 12h35
MARC KISKA DEIXA AQUELE ABRAÇO PRA VOCÊS...

Marc Kiska was born in France in 1983 and raised by schoolteachers in a small town close to Saint-Etienne. As an adolescent he was deeply attracted to underground culture and alternative lifestyles, romanticizing decadence and rebellion, which has deeply influenced his work. The shame, denial and confusion of being different in so many ways, including the discovery of his homosexuality, all strongly marked his world-view and values. As a quiet, introverted boy, Kiska started writing at the age of 14. In love with fantasy and the wondrous, with dreams and the inner, troubled worlds of youngsters; doubting, opposing and distrusting the hollow, grave reality of adulthood. Disillusioned by a lack of substantial mirroring and genuine ideals, he absorbed himself with the outlands of normality, a Kaspar Hauser, falling in love with Arthur Rimbaud, who promises something more, somewhere else.

Kiska wasn't ultimately satisfied by his writing, and at the age of 20, he started taking a fast growing interest in photography; discovering a whole new dimension in which he could express himself. He started off taking photos to illustrate his short stories, and he immediately connected to the lens and found great passion in this new dimension to explore and communicate his vision and inner enterprise. One of his first shoots (2004) was literally inside the walls of the City Hall of Oslo, where he worked as a cook. He discovered there small, secret passages inside some of the walls. This portrays his artistic identity, revealing itself in that space, mysterious, hidden, in between parentheses and brackets, barely sheltered from the numb and rigid, institutional charade playing out on the other side of those duplexed walls.

After 10 years of art photography he launched his book Outlandish /Room/ (2014) which got great attention in several countries. “Les vestiges d’Alice” is Kiska’s debut novel, which he first started to work on in 2009 after having focused on short stories since 2001.

EXHIBITIONS

2017 - 2007 Group Exhibitions, Skeive Kunstnere/Pride Art, Norway

2017 LES SOUFFLEURS, A la tombée des Masques, Paris, France

2017 CITY HALL OF OSLO, Group Exhibition, Oslo, Norway

2016 GENIUS, Group Exhibition, Oslo, Norway

2015 CITY HALL OF OSLO, Group Exhibition, Oslo, Norway

2015 CYAN GALLERY, Group Exhibition, Oslo, Norway

2014 AUBERGE LENTAISE, Lent, France

2014 LES MOTS À LA BOUCHE, Paris

2014 THE BLACK FAWN, Oslo, Norway

2014 POSTCARDS FROM THE EDGES, Luhring Augustine Gallery, New York

2012 ALT FOR NORGE, Galleri Vepsebolet, Oslo, Norway

2008 TORNADO, Galleri Vrangsiden, Group Exhibition, Halden, Norway

2007 Château Neuf, Oslo, Norway

2006 MS Innvik, Oslo, Norway

PROFESSIONAL CONTACT

Website > http://marckiska.com

E-mail > contact@marckiska.com

 

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 06/12/2017 às 12h35
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Franklin Emmanuel da Silva Mano e o site www.franklinmano.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
04/12/2017 15h04
HANNA DEIXA AQUELE ABRAÇO PRA VOCÊS...

HANNA é uma Cantora, Atriz e Compositora Brasileira, nasceu no Município de Maceió, Estado de Alagoas, e com seis anos de idade começou a cantar músicas de origem hispânica num Programa Infantil na Rádio Difusora de Alagoas, fazendo grande sucesso. Hanna que na época usava seu nome de batismo, Fatima Mello, era a penúltima de seis irmãs.

Mais tarde, já morando no Rio de Janeiro, Hanna estudou Teatro, e como atriz atuou no Programa Os Trapalhões na TV GLOBO, atuou na novela Selva de Pedras 2, atuou no filme com Co-Produção Francesa Xavana A Ilha do Amor sob a Direção do Polonês Zigmunt Sulistrowisk, película cujo seu personagem era uma cantora. Também gravou para a trilha sonora do mesmo filme.

Conheceu Ronaldo Bôscoli nos bastidores da TV GLOBO, e sabendo que ela estava de malas prontas para Paris, França entendeu que ela seguiria o seu destino com muita garra, mas não sabia se voltando ao Brasil, faria sucesso.

Emocionado com a coragem de HANNA de ir para Paris sozinha, assumiu escrever um Bilhete apresentando-a ao músico Baden Powell, que passou muitos anos de sua carreira na Europa, na Cidade luz. Sua carta era informal, dizendo assim: Badeco! Faça por HANNA como se fosse por mim.

Apesar do ciúme da mulher de Baden, foi com esse bilhete que HANNA se apresentou em grandes clubes de Jazz, sendo acompanhada por músicos franceses com grande sucesso, e morou em Paris por oito anos, fazendo tournées internacionais por Marrocos, Grécia, Suíça, Itália, apresentando para o mundo a Bossa Nova em ritmo de Jazz, a voz rouca sensual e o estilo único de interpretar a Bossa Nova, que virou a sua marca registrada.

Voltando ao Brasil, HANNA foi convidada pela sua gravadora à época, a Som Livre, para gravar a música Sentimentos que foi tema da Christiane Torloni na novela Partido Alto.

À época, Hanna sofreu uma pequena cirurgia para corrigir um calo em suas cordas vocais, o que prejudicou muito a divulgação do solo.

HANNA voltou a Paris para cumprir sua agenda de Shows quando se recuperou do susto, e sua vida era entre Paris, França e Rio de Janeiro, Brasil.

Com o nascimento de sua filha, e a dificuldade da carreira de cantora, a fizeram escolher ser mãe e se recolher por quase uma década.

Lançou um álbum em 2002, chamado Nós em Nós, pelo selo Ipanema Records. Passando pelo Mistura Fina, Jazzmania, Teatro Municipal Laura Alvim, Hotel Sofitel, Bar do Tom, estes foram apenas alguns dos palcos por onde a cantora deixou sua marca, em uma carreira de shows ininterrupta, prova de uma energia inesgotável da cantora e da canção.

Ainda em 2011, começou um trabalho em duo, voz e violão com Marcel Powell, filho de Baden, que por força do destino, apesar de talento de sobra e de respeito mútuo, não deixou registro em álbum.

RELACIONAMENTO SÉRIO DE HANNA COM JOÃO GILBERTO

Foi divulgado no Jornal HOJE da TV GLOBO, em meados de 2010 que João Gilberto havia criado um perfil no Facebook, com seu nome de batismo João Gilberto Prado Pereira de Oliveira. HANNA, depois de saber da notícia, curiosa, e movida por sua profunda admiração pelo criador da Bossa Nova, solicitou-o imediatamente sua amizade, mesmo sabendo do gênio difícil do músico. E foi assim que surgiu uma grande e inesperada amizade.

Por madrugadas a fio, muitos músicos, e pessoas queridas por João trocavam ideias em chats que duravam dias, e até mesmo semanas, infinitos que eram na rede social, e local onde o João passava com muita delicadeza, as informações que certificavam que poderia mesmo se tratar da lenda viva da música, mesmo por detrás daquele perfil.

Conversava noites sem fim com Hanna, telefonava-a, e trocavam e-mails. Passavam madrugadas e madrugadas a conversar e a trocar figurinhas sobre ensaios, sobre aquecimento vocal, sua pizza favorita, entre outras coisas que somente João Gilberto, ele mesmo, poderia saber.

Certo momento, João escreveu em seu perfil o começo de uma grande polêmica. Convocou seus amigos para um desafio: para que descobrissem se HANNA realmente existia ou se se tratava de uma fake. Uma das hipóteses era porque ele achava que HANNA era a cantora Gal Costa disfarçada, ou que era uma das amigas de sua ex-mulher, querendo se passar de outra pessoa. E não deu outra. Em seu perfil, para ser verificada, começou a receber milhares de pessoas fazendo perguntas, e levantando suposições. A cantora, que realmente, era a usuária oficial de seu perfil, teve que dar as devidas explicações, que nem sempre eram acatadas, gerando mais conflitos do que esperava. Seu apelido virou Dindi … ela não existe?

HANNA ficou muito triste. Como posso provar ao João Gilberto e a todos, que eu sou HANNA?

Foi quando resolveu dar um fim à polêmica, trazendo à luz o que sabia mais fazer: Cantar. Chamou seus músicos e começaram a elaborar o repertório para o que começou apenas como um pequeno show, em Homenagem a João Gilberto; seu grande professor musical, em honra à sua sabedoria, e que agora se tornou seu ofício mais inspirado. O músico foi o primeiro a ser convidado para o show, e essa seria a prova da existência de HANNA, pois também era curiosidade da cantora, saber se seria bem aceita não só em sua amizade, mas se seria querida principalmente por sua música. João ficou muito emocionado com a homenagem e pela coragem da cantora, e sempre se mostrou muito satisfeito com sua interpretação.

As superstições falaciosas que levaram o público a acreditar que Hanna era apenas uma lenda dos cartazes, se tornam rapidamente irrisórias.

O que Hanna não esperava, era o grande sucesso que viria após a decisão, e o tanto que iria se sentir à vontade em interpretar os clássicos da Bossa Nova novamente, agora homenageando o músico ilustre, e já contando com a aprovação de João pelo seu talento.

Foi quando transformou o show em O Amor é Bossa Nova: Homenagem a João Gilberto, continuando com as suas conhecida apresentações pelo Rio de Janeiro, pode mostrar aos jovens e eternos cariocas a beleza da Bossa Nova do João com o seu estilo próprio de cantar.

HANNA foi convidada por seu diretor musical a gravar o material reunido em um álbum, de forma independente.

Um detalhe chama a atenção. O álbum já estava pronto, em mixagem, quando um sonho levou a cantora de volta aos estúdios para regravar a mais emblemática das faixas. Na visão, o cantor lhe pedia para gravar Chega de Saudade com muita suavidade. Suave, Hanna, Suave eram suas indicações. A faixa, que já estava pronta, teve de ser refeita, com novo arranjo e muito carinho, fiel à primeira gravação de João em 1959.

Lançado em Novembro de 2015, O Amor é Bossa Nova, é seu mais recente trabalho. É uma obra madura, onde podemos ver seu lado mais afetuoso e especial para com a música, e onde novamente surpreende.

Repaginando a Bossa Nova através da afinidade e influência do seu amado Mestre, Hanna faz retribuir a ele o amor em suas interpretações. Ela dá o tom. Os arranjos de Dodô Moraes superam todas as expectativas, não só pela sua modernidade, com uso de sintetizadores, mas pela harmonia, em conjunto à fidelidade e plasticidades clássicas.

Desmascarando a crítica com a beleza de sua voz, e distribuindo a nós, ouvintes, toda essa bossa, a cantora mostra que veio para ficar.

Críticas muito positivas envolvem o álbum, muito elogiado pelo público, e indicado em diversas categorias para o Grammy Latino 2015. O Álbum também foi indicado a Melhor Álbum do Ano, pelo Prêmio da Música Brasileira de 2015.

Apresentações memoráveis pelos palcos do Rio, como na Sala Baden Powell, Teatro Rival, Teatro Café Pequeno, Hotel Vila Galé, Casa da Gávea puderam confirmar sua força e presença.

E mais uma etapa de sua saga continua e ainda lhe renderá muitos frutos. HANNA acaba de ser convidada pela família de João Gilberto para estar presente com sua música também em Juazeiro do Norte, Bahia, em meio às comemorações aos 85 anos do nascimento do músico baiano, em junho.

Ele, que inclusive já autorizou duas músicas de sua autoria para HANNA gravar no próximo álbum, que será O amor é Bossa Nova 2: Homenagem a João Gilberto, em fase de produção.

Fiquem de olho, pois ainda há muito por vir!

CONTATO PROFISSIONAL

Twitter da HANNA > @HANNACANTORA

Facebook > http://www.facebook.com/hanna.cantora

HANNA PRODUÇÕES ARTÍSTICAS

Telefone > +55  21 2267-5061

Telefone > +55 21 99488-8574

E-mail > hanna.oficial@hotmail.com

 

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 04/12/2017 às 15h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Franklin Emmanuel da Silva Mano e o site www.franklinmano.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/11/2017 19h15
GISELE AFECHE DEIXA AQUELE ABRAÇO PRA VOCÊS...

Gisele Castro Afeche é uma Musicóloga Brasileira, formada pela Universidade de Paris IV – Sorbonne (Paris, França), Cantora Lírica (Soprano), Regente, Compositora, Poetisa, Pianista e Cravista. Além de seus estudos musicais é também formada em Inglês, Francês, Terapias Holísticas e é Chef Pâtissier.

Residiu em Paris/FR durante oito anos onde concluiu seus estudos em canto com a renomada Professora Odile Pietti, cravo com o Professor Jacques Frisch, regência coral com Claire Marchand, análise musical com Naji Hakim e formação musical (teoria e solfejo) nas escolas ENM de Bourg la Reine, CNR de Boulogne e Conservatoire Maurice Ravel. Lecionou teoria musical e foi regente coral na ENM de Bourg-la-Reine e regente assistente da maîtrise Notre Dame de Paris.

Recebeu a medalha de prata da cidade de Paris das mãos do então prefeito Jacques Chirac por sua participação no primeiro encontro de Coros Femininos de Paris com seu coral 'Son Majeur' em 1990.

Cantou em renomados corais na França como Choeur de la Sorbonne, Choeur Accentus (Laurence Equilbey), Choeur de l'Orchestre de Paris, Ensemble Féminin Ars Musicae e Choeur Saint-Louis-en-Ile.

Retornando ao Brasil cantou no Coral Paulistano do Theatro Municipal de São Paulo (São Paulo/SP) durante oito anos, também atuando como solista. Participou dos grupos de Câmera Camerata Novo Horizonte e Brasilessentia e do grupo Harmonia Universalis, como solista. Lecionou canto na Saint Paul School e atuou como solista junto ao Coral Baccarelli de São Paulo. Participou em turnê pelo Brasil com o grupo La Symphonie du Marais, dir. Hugo Reyne.

Retornou recentemente da Londres, Inglaterra onde lecionou piano, canto e canto coral em sua própria escola de música, 'Bay Music School' e regeu o grupo feminino 'Bay Ladies Choir', duas vezes vencedor de festivais locais. Ganhou o festival de Paignton como cantora na categoria Soprano.

Apresentou-se recentemente em recitais na França, Inglaterra e Brasil, como cantora e foi professora do festival de canto lírico 'Salvalírico' em Salvador em 2012. Em 2013 apresentou-se como solista na Opera de Manaus na primeira apresentação da Sinfonia de Berio com artistas nacionais.

Em Santos foi regente do Coral infantil Young Learners, na Cultura Inglesa, o Coral Chanter em Français na Aliança Francesa, lecionou canto, piano, teoria, história da música e canto coral no Conservatório Heitor Villa Lobos, na Oficina de Música Pri Si La e na Escola Blackbird. Apresentou-se em casamentos com o Coral Baccarelli e Coral Tirolli, e se apresentou junto ao Quarteto Martins Fontes e Coral Municipal de Santos em um programa de Música Bartoca no CAIS.

Publicou em 2014 seu primeiro livro de poesias 'Amar... Simplesmente... Vida...' Em 2015 lançou seu primeiro CD "Mosaicos" com 15 músicas autorais. Ainda em 2015 recebeu o título de Comendadora das Artes Carlos Gomes. Em 2016 tentou-se membro votante do Grammy Latino. Em 2017 concluiu com mérito seu mestrado em Produção de Áudio pela Universidade de Westminster em Londres, Inglaterra.

CONTATO PROFISSIONAL

Facebook > https://www.facebook.com/gisele.afeche/

E-mail > giseleafeche@gmail.com 

 

 


Publicado por Dom Franklin Mano em 30/11/2017 às 19h15
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Franklin Emmanuel da Silva Mano e o site www.franklinmano.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 11 de 70 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr